Neymar brilha, e Brasil vence

Com alguns lances de qualidade técnica e escolhas táticas que lembraram os melhores tempos sob o comando de Tite principalmente no primeiro tempo, a seleção brasileira venceu o Peru hoje (9), por 2 a 0, pela décima rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo do Qatar. Everton Ribeiro e Neymar fizeram os gols na Arena de Pernambuco, que não recebeu público. A vitória mantém o Brasil como líder isolado das Eliminatórias com 100% de aproveitamento em oito partidas. Os próximos jogos da competição serão no mês que vem. Dia 7, o Brasil enfrenta a Venezuela fora de casa e a seleção peruana recebe o Chile.

Neymar apagou a má imagem deixada no jogo contra o Chile e foi bem diante do Peru. Caçado, gerou três cartões amarelos de adversários só no primeiro tempo, criou cinco chances de gol (uma delas com assistência) e ainda fez o dele antes de mostrar o tanquinho para mostrar que está bem fisicamente. Isso tudo no terceiro jogo da temporada depois das férias. Na etapa complementar o ritmo diminuiu, mas o serviço estava feito: é o maior artilheiro brasileiro da história das Eliminatórias

Melhora do entrosamento

O desempenho da seleção brasileira foi bom desde os primeiros minutos de bola rolando. Tite organizou o time num 4-4-2 sem a bola, que virava 4-2-4 quando tinha a posse, com Everton Ribeiro e Lucas Paquetá bem abertos. Mas tinha um segredo nessa estratégia: num movimento ensaiado, treinado e bonito de ver do estádio, os dois pontas centralizavam para as passagens dos laterais Danilo e Alex Sandro — principalmente o segundo, pelo lado esquerdo. Esse estilo de meia que parte da ponta para procurar o meio-campo e atrapalhar a marcação do adversário, que Tite chama de “flutuador”, remete a Philippe Coutinho e os melhores momentos da seleção com seu técnico. Com os jogadores se desprendendo dos setores originais, trocando passes no sentido do gol do Peru, foi que o Brasil fluiu e empilhou chances de gol no primeiro tempo, com Paquetá, Everton Ribeiro, Alex Sandro, Neymar e Gérson, além dos gols de dois deles.

O Peru tentou equilibrar, mas se enrolou num dilema: se marcava baixo dava errado porque defendia mal e se marcava alto dava um monte de espaço e tomava sufoco. Era um jogaço do Brasil, mas o ritmo caiu muito no segundo tempo. Confortável em campo, repleto de jogadores em começo de temporada na Europa e desarticulado pelas alterações do Peru, o time mais administrou o resultado do que qualquer outra coisa. Tomou até uma minipressão, mas Weverton evitou o pior numa finalização de Marcos López. Na reta final do jogo, Tite fez alguns testes. Matheus Cunha, Bruno Guimarães, Hulk e Edenilson, todos com pouca ou nenhuma participação, tiveram minutos para mostrar algo, mas não mexerem no placar

COMPARTILHAR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com